Chuva deixa mais de 12 mil pessoas fora de casa no ES em 27 municípios

Mais de 12 mil pessoas ainda estão fora de suas casas em 27 municípios do Espírito Santo atingidos pelas chuvas, desde o dia 17 de janeiro. A informação é do último boletim da Defesa Civil Estadual, divulgado na manhã desta terça-feira (28).

Vinte e duas cidades estão em alerta máximo, por conta de risco de alagamentos ou deslizamentos de terra.

esde que as chuvas começaram, nove pessoas morreram, incluindo duas crianças. No total, 10.573 pessoas estão desalojadas e 1.898 estão desabrigadas em todo o Estado. Inicialmente, as cidades do Sul do Estado foram as mais atingidas. Mas agora o alerta também se estende às regiões Norte e Noroeste por causa do aumento dos níveis dos rio Guandu e Doce.

Só em Alegre, mais de 2,5 mil pessoas tiveram que deixar suas casas. Parte delas precisou sair após um alerta de risco de rompimento de barragem Francisco Gros, mais conhecida como barragem São João, válido para as comunidades de Rive e Placa. Nesta segunda-feira (27), a empresa responsável retirou o alerta de rompimento e a Assistência Social do município deve começar a orientar os moradores a retornarem para casa.

Decretos

O governo federal reconheceu o decreto de estado de calamidade pública para quatro municípios: Iconha, Alfredo Chaves, Vargem Alta e Rio Novo do Sul. Neste sábado, um mutirão de voluntários convocado pelo governo do estado esteve em Iconha para ajudar a fazer a limpeza da cidade.

Nesta segunda-feira (27), o prefeito de Cachoeiro de Itapemirim também assinou um decreto de estado de calamidade pública. À tarde, o governador assinou o decreto de estado de calamidade pública para Iúna e Conceição do Castelo.

“Nós poderíamos esperar o Município fazer o decreto para a gente analisar, mas tomamos a decisão para que seja mais rápido, porque a situação exige urgência de já assinar o decreto aqui, publicar amanhã e encaminhar logo à Defesa Civil Nacional. O ministro [Gustavo] Canuto [do Desenvolvimento Regional] esteve aqui e garantiu que também vai fazer uma análise rápida, publicar e reconhecer sumariamente esse decreto”, declarou o governador.

Esses três novos decretos assinados ainda precisam ser reconhecidos pelo governo federal.

Estragos em Cachoeiro de Itapemirim após a chuva — Foto: Reprodução/TV Gazeta

Além de decretos de estado de calamidade pública, prefeitos de outros 15 municípios assinaram decretos de situação de emergência nesta segunda-feira (27). São eles: Alegre, Apiacá, Bom Jesus do Norte, Cachoeiro de Itapemirim, Castelo, Divino de São Lourenço, Dores do Rio Preto, Guaçuí, Ibitirama, Irupi, Jerônimo Monteiro, Mimoso do Sul, Muniz Freire, São José do Calçado, Domingos Martins e Marechal Floriano.

Esses decretos também precisam dos reconhecimentos dos governos estadual e federal para valerem.

Norte e Noroeste

Chove também nas cidades do Norte e Noroeste do Espírito Santo, mas o maior alerta para essas regiões é sobre o aumento dos níveis dos rio Doce e Guandu.

Na manhã desta segunda-feira (27), o nível do Rio Doce em Colatina ultrapassou a cota de inundação e a água começou a invadir a cidade. Ainda não há registro de que a água tenha invadido imóveis ou pontos comerciais, mas nesta terça-feira (28) já estavam em algumas ruas.

O nível do rio já se aproxima dos oito metros. “Há uma previsão de operação na barragem de Mascarenhas que dá uma expectativa de o nível do rio Doce subir. A notícia boa é que a cota do rio Doce em Governador Valadares diminuiu, então a expectativa é de que isso tenha reflexo em Colatina”, explicou o major Malacarne do Corpo de Bombeiros.

Rio Doce invade rua em Colatina — Foto: Reprodução/TV Gazeta

Resgates do fim de semana

As equipes de resgate do Núcleo de Operações e Transporte Aéreo (Notaer) fizeram 28 resgates durante as chuvas deste final de semana no Sul do Espírito Santo. A maioria desses resgates foi feita em Cachoeiro de Itapemirim e Alegre.

No sábado (25), um homem foi retirado do telhado da casa pelo cesto de resgate da aeronave depois que a localidade de Pacutuba, em Cachoeiro de Itapemirim, ficou alagada.

Resgate de helicóptero em Pacotuba, Cachoeiro de Itapemirim, Sul do ES  — Foto: Divulgação/ Notaer

Na mesma localidade, três pescadores que estavam em um pé de jamelão também foram resgatados. Segundo o major Cristian do Notaer, os homens já estavam ilhados há quatro dias e, nos últimos dois, decidiram subir no pé de jamelão porque estavam sem comida.

Ainda em Pacotuba, um produtor rural identificado como Gilson, de 64 anos, foi resgatado depois de ficar ilhado em casa. Ele contou para a equipe de salvamento que ficou quatro dias sem comer.

O Notaer também resgatou um idoso de 80 anos que precisava fazer hemodiálise e um outro casal de idosos que ficou preso em um carro ao tentar deixar a cidade pela rodovia.

Equipe do Notaer procurando por vítimas que precisavam de resgate no Sul do ES — Foto: Divulgação/Notaer-ES

Visita do Ministro

O Ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, esteve no Espírito Santo neste domingo (26) e sobrevoou os municípios atingidos pela chuva, junto com o governador Renato Casagrande e outros membros no governo.

O Ministro Gustavo Canuto explicou que o governo federal tem uma quantia de R$ 90 milhões disponível para uso emergencial de socorro e atendimento às vítimas, que poderia ser usado por Espírito Santo e Minas Gerais, mas Casagrande explicou que essa verba não é necessária para esse fim.

Cidades em calamidade pública

O governo federal reconheceu o decreto de estado de calamidade pública para quatro cidades na quarta-feira (22). São elas: Iconha, Alfredo Chaves, Vargem Alta e Rio Novo do Sul.

Ela foram mais prejudicadas pelo temporal do dia 17 de janeiro e onde ocorreram as nove mortes registradas.

Iconha, que chegou a ser descrita pelo governador do Espírito Santo como “cenário de guerra” depois que o nível de água baixou, só teve uma avanço na limpeza depois que um mutirão de mais de 500 voluntários esteve na cidade neste fim de semana, tamanha foi a destruição.

As demais cidades também continuam prejudicadas. Muitos moradores perderam tudo o que tinham e os comércios ficaram devastados.

Em Iconha, 1.934 pessoas continuam foram de casa; em Alfredo Chaves são 1.984 moradores; em Vargem Alta são 1.125 e em Rio Novo do Sul são 15.

Fonte G1

Defesa Civil do Estado, Marinha e Exército atuam nos municípios atingidos pelas enchentes

A Defesa Civil do Estado do Rio de Janeiro (Sedec-RJ) atua, desde segunda-feira, em apoio aos municípios do interior que registraram cheias e enchentes nos últimos dias.

Os trabalhos contam com cerca de 40 agentes. Nesta terça, foi iniciada a distribuição de água para as cidades afetadas, como Cardoso Moreira, Italva e Porciúncula. A entrega está sendo feita por uma aeronave do Corpo de Bombeiros e da Marinha do Brasil, além de caminhões dos dois órgãos.

Em Itaperuna, um caminhão do Exército está sendo utilizado para levar doações a áreas mais isoladas.A Sedec realiza distribuição de água e de material de ajuda humanitária para desalojados e desabrigados, como colchões e kits dormitórios com lençol, cobertor, travesseiro e fronha.

O Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro (CBMERJ) auxilia as ações da Sedec-RJ na região, com cerca de 100 bombeiros militares, viaturas, embarcações, helicópteros, barracas de camping, coletes, lanternas, cordas para salvamento de pessoas, entre outros equipamentos.

FONTE: FOLHA 1

DE NOVO: BANDIDOS ARMADOS ROUBAM CARGA DA SOUZA CRUZ, DESTA VEZ MACAÉ

Aconteceu de novo, bandidos armados e encapuzados roubaram na mnha desta terça feira (28/01) mais uma carga da empresa Souza Cruz, desta vez o caso aconteceu em uma estrada de terra, anexa à BR-101 em Macaé.

De acordo com informações o veiculo da empresa foi inteceptado por um veiculo Tiguan de cor azul, placa não identificada, dois homens armados obrigaram o motorista a passar a carga para o carro e fugiram.

A polícia fez um cerco na região à procura dos bandidos, que ainda não foram localizados, carga roubada e nem o valor da carga também não foram revelada.

Morador grava em áudio tiroteio na Chatuba em São Fidélis

Morador da Chatuba gravou áudio onde disparos de arma de fogo podem ser ouvidos.

Áudio divulgação via Whatsapp

Os disparos ocorreram no bairro Jonas de Almeida e Silva mais conhecido como Chatuba, próximo as casinhas, na noite dessa segunda-feira 27/01, segundo informações obtidas pela nossa equipe seriam um grupo de homens de uma facção rival da que atua no local onde chegaram disparando e gritando que estão no local.

A polícia recebeu chamado dos disparos através do 190, as 22:50h, , mais até o momento ninguém foi encontrado e também não houve nenhum ferido.

Policiais do 8°BPM intensificaram o patrulhamento no local, a fim de encontra os autores, ontem nossa equipe esteve com o Ten.Cel Luiz Henrique comandante do 8°BPM onde nos afirmou que a tolerância é zero.

Rio construirá prisões verticais para detentos de baixa periculosidade

O Estado do Rio vai construir, pela primeira vez, cinco presídios verticais para desafogar as unidades já existentes e abrigar os presos de baixa periculosidade,e que não tenham ligação com facções criminosas. As unidades prisionais vão contribuir para a inserção dos detentos ao mercado de trabalho.

Segundo a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), o projeto do Conjunto Penal Vertical (CPV) já está em fase de desenvolvimento. O planejamento inicial é para a construção de cinco conjuntos: três no Complexo de Gericinó, na zona oeste do Rio, um em Volta Redonda, na região do Médio Paraíba, e outro em local a ser definido. Cada unidade poderá atender entre 3.456 e 5 mil internos.

Pelo projeto preliminar, cada conjunto custará cerca de R$ 82 milhões e será constituído por três prédios com 11 andares cada um. Nove destes terão celas e dois, salas de controle, refeitório e estrutura administrativa. As cinco unidades vão ofertar um projeto de inserção no mercado de trabalho, além de escola e atendimento médico.

A Seap informou que uma unidade prisional horizontal comum, com capacidade para atender entre 400 e 600 presos, custa cerca de R$ 40 milhões.

De acordo com o secretário de Estado de Administração Penitenciária, Alexandre Azevedo, a iniciativa é importante para dar melhores condições de reabilitação aos detentos. “É um projeto inovador de direitos humanos, que oferece chances reais aos apenados que realmente desejam mudar de vida e ser reinseridos na sociedade. É um grande projeto, e vamos trabalhar intensamente para licitar a primeira das cinco unidades já em 2020”, afirmou.

Azevedo disse que um grupo de trabalho com servidores da Seap e da Secretaria de Infraestrutura e Obras reúne-se semanalmente para discutir as diversas necessidades do CPV, com o objetivo de acelerar a conclusão do projeto para iniciar o processo de licitação.

Vagas em presídios

No ano passado, foram criadas 1.872 vagas no sistema prisional do Rio de Janeiro. No dia 16 de dezembro, foi inaugurado o Instituto Penal Santo Expedito, em Bangu, com 710 vagas – uma unidade que foi transformada em um grande centro de atendimento à mulher, com empresas para atividades laborativas, escola estadual, biblioteca, sala de audiovisual, espaço ecumênico, quadra poliesportiva e atendimento médico especializado.

Outra ação importante foi a reforma em dois andares do Instituto Penal Oscar Stevenson, em Benfica, zona norte da cidade, onde foram criadas 512 vagas, ampliando e melhorando o atendimento às internas. Também houve um aproveitamento de 650 vagas ociosas que não estavam sendo ocupadas por questões de reordenamento e movimentação de presos em presídios estaduais.  

AGENCIA BRASIL