Arquivo da categoria: NOTÍCIAS

Pádua registra 20 novos casos e 09 novos curados, município possui 77 casos ativos

Em boletim publicado na tarde desta segunda-feira 26 de julho, o município de Santo Antônio de Pádua registrou 20 novos casos e 09 novos curados desde o último boletim de sexta-feira 23 de julho.

O município possui 6.080 casos confirmados, são 68 casos suspeitos, 08 casos em isolamento hospitalar sendo que 05 estão fora do município, são 5.841 curados, 07 óbitos em investigação e 162 óbitos confirmados.

Sendo 6.080 casos confirmados, 5.841 curados e 162 óbitos o município possui 77 casos ativos.

Pádua vacina munícipes de 33 e 32 anos contra a Covid-19, nos dias 27,28 e 29; CLIQUE AQUI E SAIBA MAIS:

Veja abaixo o número de casos ativos por bairros e distritos:

LocalNúmero de casos
AEROPORTO1
ALEXIS0
ALPHAVILLE0
ARRAIALZINHO1
BALTAZAR0
BEIRA RIO0
BOA NOVA0
BOA UNIÃO0
CAFÉ GAROTO0
CAIXA D’ÁGUA2
CAMPELO1
CAMPO ALEGRE0
CANAÃ0
CARVALHO1
CEHAB3
CENTRO3
CHÁCARA3
CHALÉ0
CIDADE NOVA8
DEZESSETE11
DIVINEIA2
ESTRADA PADUA/MIRACEMA0
FAROL3
FERREIRA4
FONSECA0
GABRY4
GERADOR0
GLÓRIA1
HUMAITÁ0
IBITINEMA0
IBITUGUAÇU1
LOT. ECCARD0
MANGUEIRÃO0
MARANGATU2
MEIA LARANJA1
MIRANTE1
MONTE ALEGRE3
MONTE LÍBANO1
PARAOQUENA3
PARQUE DAS ÁGUAS0
RECANTO DAS GARÇAS1
SALGUEIRO1
SANTA AFRA3
SANTA CRUZ3
SANTA LUZIA0
SANTO CRISTO0
SÃO FELIX0
SÃO JOSÉ0
SÃO LUIZ3
SÃO PEDRO0
SAPÊ0
TAVARES6
TRAJANO0
VALE DO IPÊ0
Fonte: Secretaria de Saúde de Pádua
Faixa etáriaCasos
0 – 92
10 – 194
20 – 298
30 – 3910
40 – 4917
50 – 5916
60 – 6912
70 – 796
80 – 891
> – 901
Fonte: Secretaria de Saúde de Pádua

Decretos pró-armas de Bolsonaro enfrentam resistência no Senado

Prioridade de campanha do presidente Jair Bolsonaro, a facilitação do acesso a armas de fogo não avançou no Senado num semestre marcado pela reação contrária a quatro decretos presidenciais sobre o tema. Vários dispositivos desses decretos foram suspensos por liminar da ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Rosa Weber. Um projeto do Senado para sustar os decretos (PDL 55/2021) teve sua votação adiada, à espera da conclusão do julgamento no Supremo.

Desde o início do governo, Bolsonaro vem editando decretos para driblar a resistência que tem encontrado no Congresso. Alguns deles foram contestados em decretos legislativos e ações judiciais, mas outros entraram em vigor, como o que autoriza que cada pessoa registre quatro armas (antes eram duas); o que permite posse de armas a moradores de áreas rurais; o que aumenta o limite anual de munições de 50 para 200 (e depois, para 550); e o que revoga três portarias do Exército que possibilitavam o rastreamento e o controle de armamentos.

Publicados em 12 de fevereiro, os Decretos 10.627, 10.628, 10.629 e 10.630 regulamentam o Estatuto do Desarmamento (Lei 10.826, de 2003), no sentido de flexibilizar normas e ampliar o acesso a armas de fogo. Entre outros dispositivos, as normas permitem que profissionais autorizados, além de colecionadores, atiradores e caçadores (CACs), possam comprar mais armas e munições. Também modificam os critérios para análise do pedido de concessão de porte e reduzem a lista de artefatos classificados como produtos controlados pelo Exército (PCEs).

Durante incursões no Complexo Penitenciário de Santa Izabel e em área de mata das adjacências, foram apreendidas 11 armas, dois coletes, carregadores, farta munição, estoques, facas e ferramentas. A ação foi executada na terça (10) e na manhã de quarta-feira (11) por militares do Batalhão de Polícia Penitenciária (BPOP), Ronda Ostensiva Tática Metropolitana (Rotam), Companhia de Operações Especiais (COE) e Grupo Tático Operacional (GTO)/Comando de Policiamento Regional III – Castanhal. De acordo com a Polícia Militar, as armas são quatro fuzis, uma carabina, uma submetralhadora, duas espingardas, duas pistolas e uma arma caseira. Dentre os fuzis, estão três de calibre 7,62mm. Todo o material apreendido será encaminhado à Polícia Civil.  FOTO: THIAGO GOMES / AG. PARÁ DATA: 11.04.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: Thiago Gomes/Agência Pará Fonte: Agência Senado

Contestação

Vários senadores reagiram imediatamente, apontando extrapolação no poder regulamentar do Executivo e violações ao Estatuto do Desarmamento, citando estatísticas sobre o aumento do número de homicídios no Brasil e contestando o esvaziamento do poder do Exército na fiscalização de produtos controlados.

“Mais armas geram mais insegurança e violência. O que o país precisa é de vacina! É de cuidado com a saúde da população e de políticas de combate ao coronavírus”, comentou nas redes sociais o senador Fabiano Contarato (Rede-ES) sobre a edição dos decretos. Em sentido contrário, o então líder do PSL no Senado, Major Olímpio (SP), manifestou-se a favor das medidas, que classificou como “uma defesa do sagrado direito à legítima defesa do cidadão”. 

Os senadores apresentaram 14 projetos de decreto legislativo com o intuito de cancelar total ou parcialmente os decretos presidenciais. Na justificação do PDL 55/2021, submetido a tramitação conjunta com os outros 13 PDLs, o senador Paulo Rocha (PT-PA) afirma que o Executivo extrapolou seu poder regulamentar, usurpando competência do Congresso Nacional, que “é o local adequado para se realizar qualquer alteração no que diz respeito ao porte e à posse de armas de fogo”.

Em 12 de abril, na semana em que os decretos presidenciais entrariam em vigor, uma liminar da ministra Rosa Weber suspendeu vários de seus dispositivos, como o que abre a possibilidade de aquisição de até seis armas por civis e oito por agentes estatais e de porte de duas armas simultaneamente. A liminar foi deferida em resposta a cinco ações diretas de inconstitucionalidade levadas ao Supremo pelos partidos PSB, PT, PSOL e Rede. Na mesma data, os senadores concordaram em adiar a votação do PDL 55/2021 para aguardar a decisão do STF sobre o tema, mas o adiamento sofreu críticas.

O senador Humberto Costa (PT-PE), que declarou esperar que o Senado pudesse conter o “derrame de armas de fogo” através de PDL, comentou à época nas redes sociais: “O Supremo Tribunal Federal assumiu a dianteira. Vale a máxima do futebol: quem não faz, leva!”.

No mesmo sentido, o senador Paulo Rocha afirmou sua convicção de que os “absurdos jurídicos cairão um a um”, enquanto o senador Jean Paul Prates (PT-RN) declarou, em entrevista à Rádio Senado, que a decisão de Rosa Weber já era esperada, diante do “perigo iminente” de normas que implicariam “entrada de mais de 500 armas a cada 24 horas nas mãos de pessoas comuns”. O senador Marcos Rogério (DEM-RO), entretanto, criticou o “comportamento ativista” da ministra, que representaria mais uma interferência do STF nas atribuições do Senado.

Em seu último relatório sobre o PDL 55/2021, também apresentado em 12 de abril, o senador Marcos do Val (Podemos-ES) se posicionava a favor da manutenção integral dos decretos presidenciais e pela prejudicialidade dos trechos suspensos por Rosa Weber, que não seriam votados. A intenção, segundo o senador, seria evitar insegurança jurídica com decisões conflitantes entre os Poderes Legislativo e Judiciário.

Em 16 de abril, o STF interrompeu o julgamento sobre a suspensão dos dispositivos dos decretos, após pedido de vista do ministro Alexandre de Moraes. A liminar de Rosa Weber permanece válida, mas não há data para retomada do julgamento.

Em resposta aos decretos presidenciais, Eliziane Gama (Cidadania-MA) apresentou o PL 479/2021 — atualmente aguardando tramitação —, que proíbe doações a campanhas eleitorais por pessoas ligadas à indústria e comércio de armas e munições, clubes e associações de tiro, e também o projeto de resolução (aprovado e promulgado em 14 de abril) que cria a Frente Parlamentar pelo Desarmamento.

— Nós temos hoje, no Brasil, o fato de que 70% dos homicídios são com armas de fogo. A Polícia Federal demonstrou claramente que houve 65% de aumento no número de armas de fogo — disse a senadora, ao defender a criação da frente parlamentar.

Prioridades

Também recebeu críticas de senadores a inclusão de proposta sobre armas de fogo na lista de propostas prioritárias para o governo, apresentada em 3 de fevereiro aos presidentes da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, e do Senado Federal, Rodrigo Pacheco. Apesar da ênfase em pautas relacionadas à crise econômica e ao enfrentamento da covid-19, uma das propostas da lista traz regras para flexibilizar registro, posse e comercialização de armas de fogo (PL 3.723/2019). 

Na ocasião, em redes sociais, Eliziane contestou a prioridade do governo: “É inadmissível que, num país com 14 milhões de desempregados, o presidente peça ao Congresso para priorizar ampliação do porte de armas”.

O PL 3.723/2019 regulamenta a posse e o porte de armas de CACs, além de mudar penas de crimes com armas, entre outros temas. A Câmara aprovou o projeto na forma de um substitutivo, apresentado pelo deputado Alexandre Leite (DEM-SP), que amenizou o texto encaminhado pelo Executivo, retirando qualquer possibilidade de estender o porte e posse a outras categorias além dos CACs.

Outra mudança promovida pelos deputados estabeleceu no texto que o atirador esportivo maior de 25 anos terá direito ao porte de armas somente depois de cinco anos da primeira emissão do certificado de registro. Com relatoria do senador Marcos do Val, o projeto tramita na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), onde recebeu quatro emendas. Não há previsão para retomada da tramitação da matéria.

Outro projeto identificado como prioritário pelo governo ainda está na Câmara dos Deputados, onde aguarda parecer do relator. Também de autoria do Executivo, o PL 6.438/2019 amplia a posse e o porte de armas de fogo para categorias públicas que trabalham em situações de risco como guardas municipais, rodoviários ou portuários, oficiais de justiça e agentes de segurança.

Com tema semelhante, tramita desde 2019 no Senado o Projeto de Lei 3.713/2019, batizado de PL das Armas, apresentado pelos senadores Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), Major Olímpio (morto em março deste ano, em decorrência da covid-19), Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) e Soraya Thronicke (PSL-MS) com o objetivo de restaurar o conteúdo de outros decretos presidenciais revogados. Entre outros dispositivos, a proposição aumenta a potência de arma autorizada para civis e torna obrigatória a realização de exame toxicológico para aquisição de arma de fogo. Atualmente o projeto tramita na CCJ na forma de substitutivo apresentado pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), que, à época, pontuou que o “legítimo” acesso a armas de fogo não pode ser a política de segurança do país.

— Esse exercício de um direito individual não se confunde com medida de combate à criminalidade ou mesmo de reforço para a atividade de segurança pública. O único caminho para reduzir os indicadores alarmantes de violência no Brasil é a adoção de uma política de segurança pública — avaliou.

E a Comissão de Direitos Humanos (CDH) recebeu em fevereiro uma sugestão legislativa nos moldes da segunda emenda da Constituição dos Estados Unidos, no sentido de conferir aos cidadãos brasileiros o direito de “possuírem e portarem armas de fogo livremente”. Derivada de uma ideia legislativa apresentada ao Senado por um cidadão, por meio do Portal e-Cidadania, a sugestão foi encaminhada à CDH após superar a marca de 20 mil manifestações individuais de apoio. A matéria aguarda designação de  relator. Se aprovada, passará a tramitar no Senado como projeto de lei.

Fonte: Agência Senado

Pádua vacina munícipes de 33 e 32 anos contra a Covid-19, nos dias 27,28 e 29; veja os detalhes na matéria

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde de Santo Antônio de Pádua, os munícipes de 33 e 32 anos serão vacinados contra a Covid-19 nos dias 27, 28 e 29 de julho, das 9h às 15h.

De acordo com a notificação no dia 27 de julho a vacinação ocorrerá no posto Central, Gabry e São Luiz.

No dia 28 de julho a vacinação ocorrerá no bairro Glória, Arraialzinho, Baltazar, Monte Alegre, Campelo, Paraoquena, Santa Cruz, Mangueirão, Marangatu, Boa Nova, Cidade Nova, Salgueiro, Ibitiguaçu e Mirante.

No dia 29 de julho a vacinação ocorrerá em São Pedro de Alcântara, Chalé e no bairro Dezessete.

Para a vacinação será necessário os seguintes documentos:

  • CPF
  • CARTÃO DO SUS
  • COMPROVANTE DE RESIDÊNCIA

Ainda de acordo com a Secretaria de Saúde a segunda dose da AstraZenica estará sendo aplicada em todas as Unidade de Estratégia de Saúde da Família das 8h às 11h.

Carro capota na RJ-116 em Itaocara e deixa um homem ferido

De acordo com a Assessoria de Imprensa do Corpo de Bombeiros, às 08 horas e 18 minutos da manhã desta segunda-feira 26 de julho, o Destacamento do Corpo de Bombeiros de Itaocara foi acionado para atender uma ocorrência de acidente de trânsito.

No local os militares encontraram um veiculo capotado as margens da RJ-116 no KM-184 em Jaguarembé em Itaocara.

Um homem de 24 anos foi socorrido e encaminhado para o Hospital Municipal de Itaocara.

O Corpo de Bombeiros não soube informar o estado de saúde do acidentado.

Menino de 13 anos é executado em SFI; a suspeita é que a criança tenha sido morta por engano

Por volta das 21h deste domingo 25 de julho, Policiais Militares foram acionados para verificar vítima de disparos de arma de fogo na localidade de Lagoa Feia em São Francisco de Itabapoana, onde a vítima já havia sido socorrida para o Hospital Manoel Carola.

Já no Hospital os Policiais constataram a vítima, um menino de 13 anos que não resistiu aos ferimentos e foi a óbito.

David Souza Rodrigues 13 anos foi morto com 14 tiros.

Ainda de acordo com a Polícia a suspeita é que a criança tenha sido morta por engano já que a princípio não possui nenhuma ligação com algo ilícito.

O pai de David Souza Rodrigues disse que o filho tinha saído de moto para buscar um primo perto de casa para comemorar o aniversário da mãe e foi executado com os 14 tiros. As informações são da Polícia Militar.

Moradores informaram que suspeitos em duas motos teriam feitos os disparos contra o jovem, segundo a polícia.

A Polícia Civil informou que o menor não tinha antecedentes criminais e que ainda não se sabe a autoria ou motivação do crime. 

O crime será investigado pela 147°DP de São Francisco de Itabapoana.