PMS DO 9º BPM SÃO DENUNCIADOS SUSPEITOS DE LIGAÇÃO COM O TRAFICO NO RIO

Nove policiais militares do 9º BPM (Rocha Miranda) foram denunciados pelo Ministério Público do Rio por receberem propina de tráfico de drogas dos morros da Serrinhae Jorge Turco e do Complexo da Pedreira, todos na Zona Norte do Rio.

Em troca, os agentes avisavam previamente os traficantes sobre operações do batalhão na favela. Dos nove denunciados, sete são oficiais da corporação.

Ao longo da investigação, agentes da Corregedoria da PM, da Polícia Federal e do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do MP descobriram que criminosos da Serrinha chegaram inclusive a tirar fotos armados num caveirão da unidade durante uma operação.

A juíza Ana Paula Monte Figueiredo Pena Barros, da Auditoria Militar, recebeu a denúncia e determinou a suspensão das funções dos nove agentes. Oito deles vão responder pelos crimes de associação criminosa e corrupção passiva. Um foi denunciado por associação para o tráfico de drogas.

A investigação ainda concluiu que outros oito agentes da unidade “expuseram a perigo uma viatura policial”, já que traficantes da favela fizeram fotos posando armados em frente a um blindado e a uma viatura do batalhão durante uma operação que os agentes faziam no Largo da Raia, dentro da Serrinha, no dia 12 de janeiro de 2014.

São réus pelos crimes os majores Rodrigo Lavadeira Pereira e André Luiz Oliveira de Albuquerque, os capitães Marcelo Baptista Pereira, Rodrigo Antunes Vieira e Bruno Borges Vidal, os tenentes Adriana da Silva Góes Vista e Paulo Rodolpho Batista de Oliveira e os sargentos Robson Avelino de Lima e Flávio Fagundes Padiglione.

FOTO/JORNAL ETRA

As fotos dos traficantes posando com as viaturas motivaram a abertura da investigação, em 2014. A Corregedoria da PM, então, descobriu que os oficiais do batalhão se comunicavam com traficantes da Serrinha através do aplicativo BlackBerry Message (BBM). Com a autorização da Justiça, os investigadores tiveram acesso às conversas dos PMs com os criminosos.

Nos diálogos, há menção a pagamentos de propina e repasses de informações internas do batalhão para os criminosos. Ao longo das investigações, a Corregedoria também descobriu que o grupo de oficiais também cobrava propina de agentes subalternos para que eles fossem transferidos de batalhão.

Numa das conversas interceptadas, chefe do tráfico da Serrinha, reclama com o sargento Flávio Fagundes Padiglione que o capitão Rodrigo Antunes Vieira, apesar de receber propina dos criminosos, estava “atrapalhando” os negócios do tráfico. “O cap Antunes, só ele quer suar”, afirma o traficante. Segundo o chefe do tráfico, mesmo “recebendo a meta” (propina), o oficial estaria “parando a boca”. O sargento diz que vai “entrar no circuito” para resolver a situação.

A investigação também descobriu que o sargento Padiglione, conhecido como Play,participava ativamente do comércio de drogas no Complexo da Serrinha. “Os cara da droga aceitou o desenrolado. Vc tem que aproveitar esse final de semana para colocar para girar”, afirmou o policial para Lacosta no dia 17 de novembro de 2014. “Correto, mas esses cara tá fod* parano a boca”, reclama o traficante em seguida.

FONTE: EXTRA


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *