Parque é parcialmente destruído por incêndio e fecha por 10 dias em Teresópolis

O Parque Natural Municipal Montanhas de Teresópolis, na Região Serrana do Rio, foi parcialmente destruído por um incêndio na noite desta segunda-feira (13/08) e vai ficar fechado por 10 dias.

A estrutura de captação e distribuição de água para o funcionamento da unidade de conservação também foi danificada, prejudicando o abastecimento nos banheiros e nas trilhas, por isso, o parque ficará interditado para os reparos necessários, de acordo com a Prefeitura.

A Secretaria Municipal de Meio Ambiente informou que o incêndio aconteceu na área da subsede da Pedra da Tartaruga, devastando uma área aproximada de 30 mil metros quadrados.

O fogo começou por volta das 18h desta segunda, sendo necessária a ação de funcionários da unidade e de bombeiros até as 7h da manhã desta terça, para extinguir as chamas.

O incêndio atingiu a vegetação em rocha, queimando algumas espécies raras, como bromélias e orquídeas, a trilha e o cume da Pedra do Camelo.

A Secretaria de Meio Ambiente ressaltou que o incêndio ocorreu num dia de inverno, ou seja, com temperatura amena, e em horário noturno.

Assim, a conclusão é de que as chamas foram provocadas por ação humana, quer seja para queimar lixo ou para a destruição intencional da mata.

A Secretaria informou ainda que está apurando o ocorrido e que, se o responsável pelo incêndio for identificado, será multado. Uma denúncia também vai ser encaminhada ao Ministério Público Estadual (MPE/RJ) para inquérito e posterior ação judicial.

O Parque Municipal

Criado em 6 de julho de 2009, o Parque Natural Municipal Montanhas de Teresópolis tem uma área de 4.397 hectares. Abrange parcialmente alguns bairros, entre eles: Caleme, Posse, Salaco e Campo Grande – na cidade, Santa Rita e Ponte Nova – no interior.

Faz limite com as cidades de Petrópolis e São José do Vale do Rio Preto.

Possui em seu território uma imponente cadeia de montanhas, onde se destacam afloramentos rochosos como as pedras da Tartaruga, do Camelo e de Santana.

A unidade de conservação também protege nascentes e importantes remanescentes florestais, que abrigam significativas espécies da fauna e flora do bioma Mata Atlântica, na região.

FOTO:G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *