Pádua recebe Plano de Ação de Emergência da BROOKFIELD e da GEOMETRISA

O Prefeito Josias Quintal de Oliveira e a Secretaria de Defesa Civil Adriana Fernandes receberam os representantes da BROOKFIELD e da GEOMETRISA, empresas responsáveis pela administração e segurança da Barragem da UHE Barra do Braúna.

Foto: Yuri Marx

Foi apresentado o Plano de Ação de Emergência (PAE) esse documento é de extrema importância para prevenção de catástrofes relacionadas a ruptura hipotética da UHE Barra do Braúna.

No Plano de Contingência elaborado pela Defesa Civil do município, itens importantes são destacados, entre eles o mapa de inundações do Rio Pomba e os pontos de refugio.

Na oportunidade, o Prefeito Josias Quintal destacou a importância de uma resposta rápida dos órgãos competentes em caso de desastres em decorrências de ondas induzidas ou por rupturas da barragem, fornecendo principalmente informações para evacuação rápida dos pontos de inundação.

Fonte:Ascom – texto: Mauro Teixeira

No dia 11 de setembro de 2019 ocorreu a primeira audiência pública para tratar desse assunto, a Defesa Civil de Pádua na época fez uma mapeamento onde mostrava os pontos de inundações, pontos de refúgios e pontos de encontro.

Foto:Jornal na Boca do Povo

Nessa primeira audiência foi relatado de como seria realizado o alerta para a população mesmo sabendo que as chances de acontecer são menos de 1%, em resposta o então secretário de Defesa Civil o senhor Otoni Faria disse que os alertas seriam realizados por sinos de igrejas, rádios, mídias online, carro de som e via SMS, esse SMS mostraria para cada cidadão de acordo com sua localização para qual ponto ele deverá ir.

Um ponto que chamou bastante atenção foi o caso de um “possível” rompimento mesmo sendo minimas as chances, é que o tempo do rompimento até Pádua são de apenas 2h, e se daria tempo de avisar a todos e se seria possível retirar todos os que estiverem no caso internado nos hospitais, se haverá ambulâncias o suficiente?

De acordo com oque foi dito na primeira audiência pública foi dito que um mapa seria disponibilizado para roda a população e que seriam sinalizadas rotas para cada situação, como por exemplo cadeirantes e acamados seguiriam para uma rota diferente de facil acesso, na época foi dito que a Defesa Civil contaria com apoio de ambulâncias de cidades vizinhas. REVEJA AQUI!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *