A horas da greve prometida, caminhoneiros preveem fracasso

Sem adesão dos líderes que encabeçaram a greve da categoria em 2018 que parou o país, um grupo de caminhoneiros promete suspender as atividades em todo o Brasil a partir das 5h desta segunda-feira (16/12). A greve havia sido anunciada anteriormente por um dos representantes da classe, Marconi França.

No último dia 8, Marconi divulgou vídeo nas redes sociais em que anunciava a paralisação e indicava o apoio da Central Única dos Trabalhadores do Rio de Janeiro (CUT-RJ) e de representantes nos estados. A aproximação com entidades de esquerda, no entanto, esvaziou ainda mais o movimento.

A greve, entretanto, ao que tudo indica, está mais no desejo de Marconi França e aliados do que nas boleias país afora. A Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA) informou, por meio de nota, que consultou entidades de representação legal dos caminhoneiros e disse não apoiar a paralisação.

“Esclarecemos que todos os movimentos que reflitam os interesses coletivos legítimos da categoria sempre receberão o apoio da CNTA, com respeito à ordem pública, às instituições, às leis e à sociedade como um todo”, informou.


Nome forte da categoria no Paraná, Wallace Landim, o Chorão, negou que haja uma grande movimentação de caminhoneiros. Para ele, “há um movimento político atrás disso”.

 greve, contudo, tem respaldo de algumas entidades. O movimento recebeu apoio da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logística (CNTTL).

“Entendemos que a pauta dos companheiros caminhoneiros é legítima e daremos todo o apoio a essa paralisação nacional”, afirmou o presidente da CNTTL, Paulo João Estausia.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *